CONGRESSO NACIONAL DE HISTÓRIA E CIÊNCIA POLÍTICA


12 e 13 de Maio de 2011 – Figueira da Foz

Os 100 anos da I República portuguesa convocam não só a celebração de um ideal que é parte integrante da cultura política contemporânea do mundo ocidental, como a oportunidade de olhar mais aprofundadamente um período basilar da nossa história nacional.

A estas convocações e comemorações cívicas está subjacente um valor inalienável e republicano por excelência: o valor do pluralismo e do respeito pela heterogeneidade. Porque na política, na vida e na História quase nada é consensual, só se pode aspirar à compreensão de um facto através do entendimento dos vários planos que o constituem. Faz, pois, todo o sentido que no momento em que se debruçam as atenções sobre o estudo da I República portuguesa, se insira nessa abordagem a perspectiva do Outro. Ou seja, de todos aqueles para quem a chegada da República não foi algo aceite de ânimo leve, que a ela propuseram alternativas ou se opuseram, que dela se desencantaram ou se afastaram, que a ela ofereceram resistência ou combate.

Estas perspectivas são um elemento fundamental a ter em conta se o objectivo é compreender a verdadeira riqueza e complexidade do debate em torno da I República portuguesa.

Trata-se de uma oportunidade para promover a interacção entre comunidade académica, jovens investigadores e público interessado numa reflexão plural e dinâmica inserida no debate em curso sobre a I República. Espera-se que entre mesas redondas, tertúlias, jantares, conferências, inauguração de exposição, passeios culturais e outras surpresas se propiciem dois dias de discussão, trabalho e convívio.